(85) 9.8745.4467 contato@chatbotmaker.io

Como dar personalidade a um chatbot? Será que ele realmente precisa de uma?

A personalidade de um chatbot define a forma como ele vai se relacionar com o seu público. Cria uma dimensão de valor para o seu chatbot e faz com que as pessoas queiram interagir frequentemente com ele.

É importante que todos os chatbots sejam solicitos e educados, mas há ainda outras características que precisam compor o perfil do seu chatbot, como se ele será femino ou masculino, se seu humor será brincalhão ou sério, se usará emojis ou não e muitos outras atributos.

Há muitos fatores que devemos considerar ao projetar a personalidade de um chatbot. E se alguém tem dúvida se um chatbot deve realmente ter uma personalidade, pense no seguinte: você usaria um chatbot irritante e tedioso para reoslver ou agilizar uma tarefa? Acreditamos que não. Portanto, vamos observar alguns aspectos que devemos contemplar neste processo.

Ser relevante

Este é um fator muito importante. Se o chatbot der respostas irrelevantes, sem sentido para o usuário, o bot é inútil. A personalidade do chatbot deve ser desenhada de acordo com a área de mercado para qual ele vai ser usado. A experiência do usuário com o chatbot deve ser semelhante a uma conversa com um humano, o chatbot deve conseguir entregar o que o usuário deseja.

Ser simples, interessante e claro

Um chatbot deve ter um interessante banco de palavras. Essas palavras devem ser escolhidas de acordo com a linguagem determinada, se vai ser casual e amigável ou se vai ser mais profissional e formal, por exemplo. Além disso, a conversa deve ser bastante descritiva, a clareza e a simplicidade são peças vitais no estilo de linguagem de um chatbot. O uso de uma linguagem simples e fácil de entender é muito importante.

Podemos usar auxílios visuais como emojis, imagens e links relevantes que façam a conversa parecer mais realista e interessante.

Ser contínuo

O usuário deve ter a sensação de estar falando com um humano. Isso não quer dizer que o chatbot tem que se passar por um humano, pelo contrário, é imprescindível que o usuário saiba que está conversando com um bot, mas ele deve sentir-se confortável para que a conversa flua naturalmente. A linguagem do chatbot deve ter a capacidade de continuar uma conversa direta entre o oi e o adeus. O usuário não pode ficar sem ideias durante sua experiência com o chatbot, a continuidade da conversa vai tornar o nome da marca consistente.

Você também pode criar uma cara para o seu chatbot. Esse elemento impacta muito positivamente a maneira como os usuários vêem e como se relacionam com o chatbot.

Após construir a personalidade do seu chatbot vem a parte crítica que é traduzir essa personalidade em diálogo, bem como a escolha do banco de palavras e o tom de voz que a personalidade vai ter. Quanto maior seu vocabulário, mais precisa e sensata será a conversa. Afinal, nós, como clientes, gostamos de interagir com um chatbot rápido, eficiente, interessante, focado e inteligente.