A Inteligência Artificial (IA) enche a imaginação até daqueles que são especialistas no assunto e com isso também de muitos mitos. Para alguns, ela inspira medo e aflição, para outros ela é o elixir da possível salvação da humanidade. Quando se fala sobre futuro do trabalho, o medo da automação das profissões pela inteligência artificial aparece com frequência e, em certa medida, é justificável.

Inteligência Artificial é o conhecimento desenvolvido em sistemas de computador para executar tarefas que os humanos normalmente fazem.

Embora a IA já existe há décadas, ela está mais recorrente nos últimos anos. Smartphones, carros com sensores de estacionamento, smart houses, bancos, restaurantes, call centers e por aí vai.

Temos isso graças a gigantes da tecnologia como Google, Microsoft, Amazon e Apple que estão apostando muito nessa tecnologia.

Mas o que é Inteligência Artificial?

Ainda existe muita confusão sobre o que é exatamente inteligência artificial. Uma possível definição de inteligência artificial, segundo o MIT, aponta que “no sentido mais amplo, inteligência artificial refere-se a máquinas que podem aprender, tomar decisões e agir por si mesmas”.

Na maioria dos casos, isso envolve o uso de tecnologias cognitivas avançadas projetadas para reconhecer padrões e reproduzir possíveis respostas com base em um banco de dados e algoritmos ensinados.

O fato é que estamos cercados por inteligência artificial presentes em cada um desses novos dispositivos inteligentes. Mas com mais interesse em IA, também há mais desinformação. E muitos medos para o futuro.

Por mais incrível que pareça, há muitas pessoas que estão aterrorizadas e que acreditam em mitos como a IA ocupando postos de trabalho, substituindo os humanos e governando o mundo.

Se você é uma dessas pessoas que acredita nessas histórias de pescador, separamos esses seis mitos comuns sobre Inteligência Artificial. Vem conferir abaixo:

Mito 1: A IA substituirá os trabalhos humanos

Em 2018, uma média de 71% do total de horas de tarefas eram executadas por seres humanos, em comparação com 29% por máquinas. Em 2022, espera-se que essa média tenha mudado para 58% de horas de tarefas executadas por humanos e 42% por máquinas. Nesse cenário, o que acontece com nós, seres humanos?

Muitas pessoas temem que a IA acabe por substituí-las no local de trabalho, levando a uma perda generalizada de empregos. Nós nos esquecemos que a IA é destinada a trabalhar com humanos, não em vez deles.

Por exemplo, tecnologias como o scanner de código de barras e caixas eletrônicos provocaram temores de desemprego quando foram introduzidas pela primeira vez. Em vez disso, eles melhoraram suas respectivas indústrias e criaram novos tipos de trabalho.

A Inteligência Artificial pode alterar algumas categorias de trabalho atuais, ajudar a criar funções totalmente novas e permitir que os funcionários trabalhem de maneira mais eficiente e inteligente.

Elas vêm para dar conta de processos mais repetitivos e específicos para alavancar nossa criatividade. Mas não para nos substituir. Até porque sempre será preciso de uma pessoa ensinando a IA a todo momento. Uma boa leitura sobre o assunto pode ser encontrado neste artigo da Época Negócios.

Mito 2: Inteligência Artificial é apenas para empresas gigantes com grandes investimentos

Como a tecnologia por trás da inteligência artificial é científica e complexa, detida pelas gigantes já mencionadas, as pessoas imaginam robôs futuristas apenas para corporações avançadas ou empresas de tecnologia.

Acontece que IA não é assim, e sua implementação ​​nem sempre exige pesquisa especializada e investimentos de milhões de dólares. Pense no seu smartphone, você tem um assistente de voz nele certo? isso é uma IA. E não lhe custou bilhões.

Se você já recebeu um alerta de fraude do seu banco ou cartão de crédito, isso também é resultado da atividade de monitoramento de IA e processamento de informações.

E para seu negócio elas também se fazem presentes, podendo cuidar de seus sistemas internos, gerenciamento financeiro ou atendimento digital, por exemplo.

Claro que também, por se tratar de uma tecnologia avançada, você também deve desconfiar daqueles que te prometem o mundo por valores baixíssimos.

Você confiaria na qualidade de um telefone que se diz top de linha e custa menos de 100 reais?

Mito 3: A inteligência artificial tem características humanas

O potencial de inteligência artificial é infinito, mas a realidade atual é muito diferente. Estamos longe de um cenário em que um sistema pode tomar decisões próprias e agir em qualquer situação, independente do contexto, da natureza ou da complexidade da decisão. Um sistema capaz de tomar decisões de forma generalista ainda é uma ambição distante.

Diferente de nós que possuímos uma inteligência generalista.

Somos generalistas porque nos adaptamos a vários contextos e pensamos simultaneamente de forma racional e emocional em vários assuntos para encontrar soluções criativas para o cotidiano.

Os grandes avanços que vimos nas últimas décadas são de sistemas altamente especializados em contextos e desafios específicos.

Por exemplo, uma potente IA de saúde pode processar dados de imagens para descobrir se você tem câncer, mas não sabe dirigir um carro.

E em relação a emoções reais elas ficam ainda mais para trás.

O software é usado apenas para executar determinadas tarefas e nada mais. Certamente, muitos deles têm características específicas e encantadoras, mas é porque eles foram instalados com ele. E quando qualquer um desses dispositivos de IA informa que eles “gostam de você”, não é um amor verdadeiro. Eles foram programados para lhe dizer isso.

A tecnologia, por si só, apenas reproduz o que foi programada. Inclusive quando a Alexa responde de forma divertida, ela não está, de fato, brincando com você. Ela está, como um papagaio, repetindo o que foi ensinada, sem saber conceitos profundamente abstratos da cognição humana, como a ironia ou o afeto.

Mito 4: Os algoritmos da IA ​​podem fazer tudo sozinhos.

O sistema de IA precisa de informações e conteúdo de alta qualidade. Um algoritmo é um programa e os programas precisam de bons dados. Ter os dados corretos é mais importante que o próprio algoritmo.

A tecnologia de IA é composta também por algorítmos, então a entrada mais importante para uma ferramenta de inteligência artificial são os dados – e não apenas dados, mas os dados certos.

Isso significa que a IA não consegue entender os dados que são muito amplos ou que não foram processados ​​de forma a torná-los mais fáceis de serem digeridos pelo sistema, e muito menos dados que não foram postos no sistema.

Carlos Rivera, fundador da empresa SYNX e especialista em compilar dados para o processo de IA, diz que:

As tecnologias de IA podem analisar grandes volumes de informação em muito pouco tempo, priorizar dados por valor e pesar sua importância sem qualquer ajuda humana. No entanto, as máquinas são incapazes de raciocinar de forma complexa sobre esses dados, como as pessoas fazem a partir do momento em que são crianças.

Ou seja, a IA é extremamente dependente de alguém que a alimente constantemente de dados de alta qualidade para lhe servir de parâmetro dentro de um contexto específico.

Você ainda vai precisar de pessoas na sua empresa para cuidar de toda e qualquer questão generalista, nem que seja para analisar quais os melhores dados para alimentar a IA.

Então novamente não, ainda não dá pra substituir todo mundo por uma IA e ficar tudo ok.

Mito 5: A tecnologia é contra os seres humanos; a IA vai dominar o mundo

Essa consistente e constante imagem inimiga que foi criada da tecnologia de IA se deve aos filmes de syfy hollywoodianos e deve ser deletada agora mesmo da sua cabeça pois estamos falando de vida real.

Como dito nos tópicos acima, nunca foi tecnologia versus humanos, já que as inovações tecnológicas sempre servem ao propósito de ajudar as pessoas.

Sim, as realizações da tecnologia de inteligência artificial estão progredindo e podem derrotar seres humanos no xadrez, ou executar análises massivas de dados. Mas não, não veremos uma revolução da IA.

Como a inteligência artificial não tem qualidades humanas, não pode ostentar as capacidades do cérebro humano quando se trata de pensamento criativo, inteligência emocional e personalidade. A inteligência artificial já existe há muito tempo, o que é bom, já que a inteligência artificial tem tantos benefícios positivos para a raça humana.

A questão deve ser entender a quais interesses elas estão servindo, porque sempre vai ter algum humano a qual elas vão estar ajudando. Estamos, no fim das contas, jogando no mesmo time. Não importa se é IA, robótica, realidade aumentada ou virtual.

Ou seja, haverá uma evolução tecnológica inteligente da qual nossa sociedade se beneficiará. A IA certamente será capaz de resolver alguns tipos de problemas impossíveis de resolver pela inteligência humana.

Por exemplo, imagine do que a saúde poderia ser capaz se as habilidades de criatividade e resolução de problemas fossem combinadas com o poder computacional infinito e o recurso cognitivo da tecnologia. Ou seja, trabalhando juntos que poderemos ir além.