Seis tendências de mercado para ficar atento em 2020

por | jan 7, 2020 | Negócios

O ano já começou com tudo e resolvemos trazer aqui algumas tendências de mercado para 2020 que a gente já andou de olho. Em um cenário de grandes transformações tecnológicas, tantos clientes como colaboradores devem se atentar para essa nova realidade que, a cada ano, se mostra mais impactante no cotidiano geral.

 

Nesse contexto, a Deloitte publicou já no finalzinho do ano passado um estudo denominado 2020 Global Marketing Trends. O novo relatório é, de várias maneiras, uma resposta a esta quarta revolução industrial: essa crescente e potente integração e conectividade com as diferentes tecnologias que vivemos. 

 

Por meio de entrevistas com mais de 80 especialistas no assunto em todo o mundo, foi identificado seis tendências de mercado principais nas quais todas as empresas provavelmente terão que se concentrar neste e nos próximos anos.

 

Já no começo dele, fica claro que o foco está em pôr o aspecto mais humano no meio das organizações e tecnologias. Isso deve ajudar as empresas e marcas a estabelecerem uma conexão maior com seus consumidores e colaboradores.

 

E tem mais, em um aspecto maior, a exigência – crescente desde o fim de 2018, por sinal – é por processos mais limpos e claros; por um impacto real e relevante na vida e cotidiano de quem consome a sua marca. 

 

As pessoas estão muito mais atentas e exigem que sua empresa se posicione, apoie causas relevantes para elas e não seja contraditória. Exigem uma empresa social e humana.

 

Confira aqui as 6 tendências de mercado para 2020:

 

  • Objetivo: Propósito da marca como ponto central com a integração interna e externa a valores relevantes, como a filosofia da marca. Aqui a autenticidade e a clareza é fundamental;
  • Talento: Valorize seu ativo mais importante. É exigido a diversidade e a valorização dos talentos que nutrem sua empresa e um ambiente aberto ao pensamento criativo;
  • Agilidade: Utilização de métodos de gestão e comunicação rápidos e eficientes. Tudo é muito rápido e sua empresa precisa se comunicar e se renovar na mesma velocidade.
  • Segurança: Necessidade de mostrar de forma proativa e clara a segurança dos dados dos clientes, livres das ameaças de hackers.
  • Experiência humana: Valorização do humano e da empatia em experiências de consumo realmente relevantes;
  • Participação: Amplifique a interação do consumidor. Convocar a participação e buscar o forte engajamento dos consumidores, que se tornam advogados das marcas.

Muita informação? Calma, a gente explica uma por uma direitinho:

 

#1 Objetivo:

 

Vamos imaginar por um minutinho que sua empresa venda cosméticos. Os consumidores vão querer, por exemplo, saber se eles são feitos com testes em animais e se usam recursos de forma ecológica. Mas, além disso, vão querer saber se você e seus colaboradores, como representante da empresa, também apoiam essas causas.

 

Viu como não há mais espaço para processos não claros? Caso isso não seja transparente, você corre o sério risco de ser associado com algo que não gostaria. 

 

Vamos continuar pensando na loja de cosméticos: caso seu posicionamento não seja nítido, por exemplo, se os testes são feitos em animais, é provável que surja alguém com aquele pensamento de “Se ele não fala nada sobre ser contra, é porque, provavelmente, é a favor”. Mas não só pense isso, como poste em alguma rede social. E aí está feita uma bola de neve bem mais complicada de ser contornada.

 

#2 Talento

 

Parece meio óbvio, mas aparentemente muito gestor esquece: Seu colaborador é uma pessoa. E uma pessoa que tem uma vida além da sua empresa. 

 

Você, quando trabalha em um ambiente não muito legal, certamente fala para seus próximos como seu trabalho é ruim. Esses próximos, quando ouvirem falar da sua empresa, ocasionalmente vão soltar um “ah, fulano trabalha lá, ele diz que lá é tão ruim”. E aí a imagem da sua empresa e marca vão escorrendo pelo ralo. 

 

Mas, ao contrário, quando você gosta do faz e do seu ambiente de trabalho, dá até vontade de dar aquele gás e fazer o negócio acontecer, não é mesmo?

 

Pois é exatamente isso que acontece com a maioria das pessoas, inclusive com seus colaboradores. Valorizar sua equipe, fornecendo um ambiente de trabalho saudável e aberto à criatividade é essencial.

 

Além disso, lembre da tendência 1, o ecossistema interno da sua empresa deve refletir a forma como sua empresa se posiciona. Não funciona em nada fazer uma propaganda sobre acessibilidade e sua empresa não se adequar as condições de acessibilidade, por exemplo.

 

#3 Agilidade

 

Nesse nosso tempo de hiper conectividade tudo é muito rápido. As pessoas estão acostumadas a essa super velocidade.  Para os estudiosos, isso é o que é chamado de Tempo Zero da Comunicação. Não há depois, quando se quer algo, se quer agora. Se surge uma nova questão no mundo em que você atua, você vai ser cobrado agora. 

 

Voltando à loja de cosméticos: suponhamos que surja um escândalo de uso de componentes tóxicos na fórmula de um fornecedor. Você vai precisar certificar hoje mesmo, ou o quanto mais rápido possível, que sua loja não tem produtos com esse componente.

 

É preciso estar atento ao que está acontecendo e ter respostas rápidas às exigências do consumidor.

 

Em meio a isso, também entra o seu SAC. Se alguém te mandar uma mensagem, quer que você responda agora. Não importa mais para o consumidor se ele mandou um “que horas vocês abrem amanhã?” às 21h. Ele quer que você responda logo.

 

Caso seja no seu Whatsapp Empresarial, você pode deixar uma mensagem programada para isso. Ou também contratar algum provedor de chatbots que possam responder isso de forma mais inteligente.

 

#4 Segurança

 

Agora vamos para uma questão ligada aos problemas que vieram com a hiperconectividade e uma das maiores tendências de mercado para 2020: os dados. Como já deu para notar, os consumidores estão mais desconfiados. E isso se aplica, e muito, aos dados do seu cliente.

 

Seja para uma simples pesquisa de opinião, seja para cadastro em sistemas, seja para uso em marketing, seja para o que for: se você não explicar de forma clara, e simples, para que está solicitando e usando esses dados, ele dificilmente vai querer te dar.

 

Uma boa forma de se fazer isso, é que você se antecipe às questões do cliente. Já deixe claro que você tem um sistema seguro e que esses dados estão sendo sendo usados apenas para aquilo que você disse que usaria. 

 

Pode até ser oferecido algo em troca desses dados. Como um cupom de desconto por se registrar ou um acesso exclusivo à algo de relevância.

 

#5 Experiência humana

 

Mais do que nunca, a relevância do seu conteúdo é fundamental. É tempo de valorizar as experiências, o lado humanizado, a empatia e os valores sentimentais. Proporcionar experiências de consumo sensíveis pode ser a chave para um bom relacionamento com seu cliente.

 

Como já dito lá em cima, lembre que clientes e colaboradores, mais do que tudo, são pessoas, e querem ser tratadas com todos os mimos que você mesmo desejaria receber.

 

#6 Participação

 

E por último, já puxado pelo tópico anterior, a participação do cliente. Você provavelmente já deve saber disso, mas a gente te lembra: Melhor do que você falando bem de você é o seu cliente falando bem.

 

Com uma crescente dificuldade de se atingir, sem ter que gastar rios de dinheiro, os clientes certos pelas redes sociais, e até pela própria dificuldade de se gerar engajamento pelos feeds, a tendência para sair dessa está sendo dar a bola para o cliente.

 

O ideal agora é que você crie um conteúdo relevante e sensível, que seja interessante para o próprio cliente, e que gere amor do cliente pela sua marca.

 

E aí, conseguiu entender as tendências de mercado para 2020? Agora é hora de colocar seus conhecimentos em prática.  Mãos à obra.